Está aqui

Balanço anual confirma estabilidade da segurança no concelho de Cascais

Cascais é um concelho seguro mas nem por isso descura a prevenção.

O Conselho Municipal de Segurança  de Cascais reuniu hoje as várias forças que o compõem para apresentação e análise da situação do município em matéria criminalidade e segurança e concluiu que o balanço anual vai de encontro aos números registados nos dois últimos anos, com uma diminuição da criminalidade nas suas várias vertentes, fruto de politicas e ações sustentadas nos últimos anos, revelou a Coordenadora Municipal de Proteção Civil de Cascais.

Maria do Céu Garcia afirmou que a “perceção geral de que Portugal e o concelho de Cascais são seguros coincidem com os dados estatísticos sobre a criminalidade, mesmo que tenha havido um grande crescimento do turismo”.

“O que nos preocupa em termos de avaliação da criminalidade é a condução sob influência do álcool que aumentou ligeiramente, mas também porque houve maior fiscalização por parte das autoridades”, destacou aquela responsável, sublinhando que “o reforço da fiscalização da polícia aos condutores visa prevenir e sensibilizar a sociedade para este crime”.

Relativamente ao balanço sobre a época balnear, Maria do Céu Garcia sublinhou que, apesar de se ter registado uma considerável aumento do número de turistas, registaram-se 76 salvamentos e nenhuma morte nas praias do concelho. O único óbito ocorreu já fora da época balnear com um cidadão estrangeiro imprudente na zona do Guincho.

O Presidente da Câmara Municipal, Carlos Carreiras, que presidiu à reunião, disse na abertura deste encontro que ia  ser “pedido às várias forças de segurança que colocassem algumas das necessidades que têm neste momento, porque se constata que começa a existir uma descompensação grande entre os Bombeiros e as restantes forças de segurança, a nível de equipamentos, nomeadamente de viaturas”.

“O alerta de tsunamis e evacuação de praias é uma coisa que me preocupa muito”, acentuou Carlos Carreiras, sublinhando que “os planos de evacuação tem que ser atualizados o mais depressa possível”.

Cascais dispõe do primeiro sistema de aviso e alerta de tsunamis do país. É um projeto piloto da Autoridade Nacional de Proteção Civil em parceria com o município de Cascais.

Repetidamente, Carlos Carreiras tem avisado que “quanto mais fiáveis e abrangentes forem os mecanismos de aviso e alerta, mais tempo compramos, mais vidas estaremos em condições de proteger e mais bens materiais poderemos salvar. Isso explica porque instalamos em Cascais o primeiro protótipo de sistema de aviso e alerta de tsunamis do país. E também porque criamos o sistema próprio de rede de comunicações de emergência.”

No que respeita aos acidentes rodoviários, a GNR registou zero mortes durante todo o ano, apesar de terem ocorrido mais acidentes, com menos feridos graves e mais ligeiros. Por seu lado, no mesmo âmbito, a PSP registou duas vitimas mortais e também um aumento do número de acidentes.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) informou na reunião que, no ano passado, se verificou um aumento do número de residentes estrangeiros no concelho, que ascendeu a 20.653 cidadãos de diversas nacionalidades.

A apresentação e análise da situação do município em matéria de criminalidade e segurança estiveram a cargo da Polícia Marítima, Guarda Nacional Republicana (GNR) - Destacamento Territorial de Sintra (dados relativos a Alcabideche), Destacamento de Trânsito de Carcavelos, Polícia de Segurança Pública (PSP), Divisão Policial de Cascais, Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e Polícia Municipal de Cascais. SRS/A.Q.

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisbanner_bairromuseus_0banner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais