Está aqui

A Quatro Mãos: Encontro de escrita para cinema e televisão em Cascais

Argumentistas, realizadores e autores juntam-se em Cascais entre 12 e 15 de outubro. Um encontro sobre guionismo, adaptações de romances, transformar uma ideia numa curta-metragem ou escrever comédia. Com debates, oficinas e sessões de cinema em torno da escrita para os pequenos e grandes ecrãs o encontro divide-se entre o centro Cultural de Cascais e a Casa das Histórias Paula rego onde decorrem sessões de cinema abertas ao público em geral.
Iniciativa da Academia Portuguesa de Cinema e do guionista Rui Vilhena, o encontro contará com a presença de Jim Sheridan que, em Cascais, vai falar do “Processo da Escrita”. “Chegámos ao ponto em que a escrita está a diminuir. É muito difícil escrever. Nem os melhores autores têm o poder que os diretores e produtores têm, por isso a tarefa não é fácil”.
 
Presentes vão estar também a realizadora Leonor Teles, os realizadores Simão Cayatte, Sérgio Graciano e André Marques e o argumentista Pedro Marta Santos.
 
Paulo Trancoso, presidente da Academia Portuguesa de Cinema, realça que “uma das formas estruturantes de avançarmos na escrita de guiões para cinema e televisão é encontrarmo-nos, estudarmos e aprendermos” e nada melhor que o ambiente descontraídos de Cascais para reunir um conjunto de especialistas: “trazemos gente de muitos lados, até a TV Globo, porque para nós é fundamental que o audiovisual passe as fronteiras com muito mais facilidade”.
 
“É um desafio a 40 mãos, pés, tudo… É uma loucura”, confessa Patrícia Vasconcellos, da Academia Portuguesa de Cinema, organizadora do evento, que considera ser este um “desafio interessante”. “Espero que seja o primeiro de muitos encontros que marquem”, acrescenta.   
 
“Nós em Cascais que estamos sempre preocupados com as novas propostas relativas a atividades culturais ou artísticas, acolhemos de bom grado esta proposta da APC onde vão participar algumas das figuras mais importante s da escrita de argumento contemporâneo e que vai permitir aos participantes portugueses recolher informação que lhes pode vir a ser muito útil”, destaca, Salvato Teles de Meneses, administrador da Fundação D. Luís I, que em nome da Câmara Municipal de Cascais apoia do encontro.
 
Porque há muito a aprender com escritores e argumentistas de outras paragens, o encontro traz a Portugal, e a Cascais, autores do Brasil como o publicitário Edson Athayde, o argumentista João Emanuel Carneiro, autor da telenovela “Avenida Brasil”, o autor Jô Bilac e o produtor Paulo Morelli, da O2. Com uma expectativa muito elevada, Morelli acredita que “o encontro vai ser muito produtivo de troca de ideias e de experiências e proposta novas sobre a escrita coletiva. Com o crescimento das séries há um novo encaminhamento na maneira de escrever contemporânea. As pessoas estão a começar a escrever em grupo”. 
A eles junta-se ainda o autor norte-americano James Bonnet, consultor de guionismo, que fará uma ‘masterclass’ sobre processo criativo na criação de guiões para ficção e não-ficção.
 
Assistir ao filme com o autor 
O encontro proporciona “uma oportunidade inédita de visualizar importantes obras do cinema com o seu autor e perceber passo a passo os processos desde o guião até à sala de cinema”, confirma Patrícia Vasconcellos, colocando o desafio aos visitantes: “venham ver o flme e colocar as questões que tiverem”.
No auditório da Casa das História Paula Rego vão estar os realizadores portugueses Luís Filipe Rocha, na exibição “Cinzento e Negro” (dia 12), e Vicente Alves do Ó, “Florbela” (dia 13), e a realizadora brasileira Anna Muylaert, autora de “Que horas ela volta?”. 
A entrada nos filmes é gratuita limitada à capacidade da sala.
 
Mais informações em http://aquatromaos.pt/lisboa/
 
 

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisbanner_bairromuseus_0banner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais