mais pessoas

Greg Stone
Greg Stone O biólogo marinho Greg Stone é um ...
André Oliveira - Sushiman no Mercado da Vila
André Oliveira - Sushiman no Mercado da VilaPara se ser especialista em cozinha ...
Miguel Rocha Vieira
Miguel Rocha VieiraMiguel Rocha Vieira, de 38 anos, tem no ...
Agatha Ruiz de la Prada
Agatha Ruiz de la Prada Agatha Ruiz de la Prada, que expôs de 9 ...

Está aqui

Jorge Brito

Sapateiro - Artesão, Jorge Brito expõe pela segunda vez as suas criações na Feira de Artesanato do Estoril. Faz sandálias de forma artesanal por medida e todo o tipo de arranjos em sapatos, bolsas, fechos, blusões, sacos.“As minhas sandálias duram, seguramente, mais de 10 anos”, diz.

“As minhas sandálias duram, seguramente, mais de 10 anos”, afirma. Sente-se realizado porque tem a profissão de que gosta e por ver os clientes o reconhecem pela qualidade do seu trabalho e dos materiais que utiliza na produção das sandálias artesanais que confeciona. “Alguns dos modelos são personalizados, idealizados pelos próprios clientes”, explica.

Jorge nasceu há 52 anos na antiga maternidade do Monte Estoril, e sempre viveu nesta freguesia onde tem uma oficina. Desde criança que mostrou talento para os trabalhos manuais. Inicialmente, o seu percurso profissional, não passou por esta área. Trabalhou num serviço público, mas quando há mais de duas décadas essa porta se fechou, Jorge Brito, que já sentia o entusiasmo empreendedor na sua vida, começa a fazer trabalhos de sapateiro para os vizinhos na sua própria casa. Era um sapateiro autodidata que quando pensou em fazer do seu dom um negócio, foi fazer uma formação na área artesanal, um dos requisitos necessários para se poder estabelecer.

Este artesão cascalense tem mostrado os seus trabalhos em diversos certames que já lhe trouxeram alguma visibilidade, mas conta que o retorno financeiro da sua atividade provém, essencialmente, dos arranjos que faz no dia-a-dia como sapateiro. “ Não enriqueço com este trabalho, mas o que ganho dá para me manter. Faço o que gosto”.

 “Já não há muitos sapateiros, mas quem compra sapatos de qualidade, quando estes precisam de consertos recorre a um sapateiro, não os substitui logo por outros”, diz com a certeza de quem tem experiência no ramo há quase três décadas.

Jorge mantém a sua oficina aberta há 18 anos num centro comercial no concelho.

"C" 71 (1) - julho de 2016

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisbanner_bairromuseus_0banner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais