mais pessoas

Greg Stone
Greg Stone O biólogo marinho Greg Stone é um ...
André Oliveira - Sushiman no Mercado da Vila
André Oliveira - Sushiman no Mercado da VilaPara se ser especialista em cozinha ...
Miguel Rocha Vieira
Miguel Rocha VieiraMiguel Rocha Vieira, de 38 anos, tem no ...
Agatha Ruiz de la Prada
Agatha Ruiz de la Prada Agatha Ruiz de la Prada, que expôs de 9 ...

Está aqui

Mariana Cintra

Artesã de bijuteria personalizada | Há dois anos foi de férias para o Alentejo e conheceu uma artesã a quem comprou um colar no qual pediu que colocasse pendentes que evocassem a mãe, a irmã e o namorado.

Fascinada com a peça de bijuteria que “conta parte da sua história de vida”, começou a pesquisar sobre a arte da bijuteria artesanal e junto com uma amiga cria a marca Pipe, nome que traduzido do inglês significa tubo. Para Mariana, na vida há sempre uma saída no fim do túnel. “Por pior que seja a situação há sempre uma escolha a tomar que pode fazer do amanhã um dia melhor”, explica. Este é o conceito que dá forma às suas criações que refletem os valores de vida de cada pessoa. “Quando as pessoas me pedem para criar um determinado colar estão a transferir parte do significado da sua vida para uma peça de bijuteria que passam a partilhar com o conceito de vida que imprimo às minhas criações”.

Versáteis, personalizadas e simples, são peças criadas para usar no dia-a-dia e em ocasiões especiais com diferentes estilos de roupa. Colares com uma, duas ou três voltas que se podem modificar de acordo com o gosto de quem os utiliza. Podem ser usados na frente e no verso. “Posso ir para a praia e depois ir jantar, mudar apenas o casaco e continuar com o mesmo colar”, explica.

Mariana não consegue estar parada. No início do lançamento do negócio ainda conseguia conciliar os estudos de Arquitetura com o trabalho aos fins de semana numa loja de roupa.

Divulga as suas criações na internet, Instagram e facebook. Durante o verão mostra os seus colares em feiras e mercados. Esta é a segunda vez que tem um stand na FIARTIL. Do Estoril, segue para a Indonésia para preparar a coleção para o verão do próximo ano. “Quero fazer uma coleção baseada em Bali”, conta. Brasileira, nasceu há 24 anos em Goiânia. Está em Portugal há 11 anos e sempre viveu em Cascais. “Viver em Cascais inspira-me. Estudo em Lisboa. É um alívio voltar para Cascais ao final do dia”. Costumo dizer que se não vivesse em Cascais, não estaria em Portugal”.

"C" 71 (1) - julho de 2016

 

 

 

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisbanner_bairromuseus_0banner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais