Está aqui

Perguntas de partida do Diagnóstico Social

Conheça as perguntas de partida do diagnóstico social resultantes do contributo de munícipes, técnicos/as, dirigentes e eleitos/as locais.
Desde o primeiro momento, os diversos atores foram ouvidos na própria definição dos objetivos do diagnóstico social:
O que queremos saber? 
O que entendemos por coesão social?  
Estas foram as perguntas colocadas a 5 grupos de munícipes: imigrantes, pessoas com deficiência, mulheres, jovens e seniores; a profissionais de organizações locais; a empresários/as e a membros do executivo local.
 
Perguntas de partida do Diagnóstico Social de Cascais:
 Tendências gerais de coesão social
 Áreas de vida (Consumo e alimentação; Informação e comunicação; Educação; Saúde; Cultura e lazer; Emprego; Rendimento; Habitação, Urbanismo e acessibilidades)
 Grupos de análise (Imigrantes; Crianças e jovens; Pessoas idosas; Pessoas com deficiência; Mulheres)
 
 

TESTEMUNHOS DOS(AS) PARTICIPANTES

Para mim e para a minha mulher, foi muito importante podermos expor as nossas preocupações no que toca às lacunas existentes no nosso concelho, especialmente no que toca à segurança das pessoas e as suas necessidades mais prementes. O modo como as reuniões foram organizadas, permitiu-nos, também, ter conhecimento de situações carentes noutras freguesias do Concelho e das sugestões apresentadas pelos respetivos convidados.
(Maria Irene e Fernando Costa, Munícipes residentes na Freguesia de Alcabideche)
 
Participar na Sessão de Construção de Perguntas de Partida sobre O Diagnóstico Social para a Freguesia de Alcabideche, marca o arranque de um projeto diferenciador e fortemente inclusivo na vida da comunidade. Por isso a responsabilidade no encontro de perguntas assertivas e que traduzam a realidade da tela social da freguesia de Alcabideche, foi a nossa preocupação inicial.
(Rui Costa, Presidente da Junta de Freguesia de Alcabideche)
 
Foi muito positivo e enriquecedor participar numa iniciativa que promove a proximidade entre os cidadãos e o poder local. Esta iniciativa permite identificar de uma forma mais específica e concreta os problemas do concelho, tendo em conta diferentes perspetivas e necessidades
(Margarida Rebelo, Munícipe Residente na Freguesia de Carcavelos Parede)
 
Para mim foi importante participar nesta iniciativa porque senti que a CMC tem o interesse em ouvir as necessidades e preocupações da comunidade. Senti-me útil pois fui ouvida em temas que penso serem do interesse de todos os jovens.
(Maria Cabral, Munícipe Residente na Freguesia de Carcavelos e Parede)
 
Senti um orgulho imenso de pertencer a um Município com uma dinâmica capaz de mobilizar tantos parceiros para a co construção de algo que a todos diz respeito. Esta forma participativa permitiu ter um maior conhecimento dos vários agentes que intervém no território e das potencialidades emergentes para a resolução de eventuais desafios que venham a surgir.
Gostei particularmente da metodologia utilizada e do entusiasmo com que os parceiros abraçaram este desafio. Saí mais rica em termos de conhecimentos aos vários níveis e mais motivada. Foi daquelas manhãs de trabalho que valeu mesmo a pena.
(Helena Gonçalves, Enfermeira Coordenadora, ACES de Cascais - UCC Cascais Care)

 

continuar a ler
Tendências gerais de coesão socialÁreas de vidaGrupos de Análise
Tendências gerais de coesão social

 Que desigualdades existem na distribuição dos rendimentos? |  Que desigualdades existem no acesso ao emprego? |  Que desigualdades existem no acesso à saúde? |  Qual a proporção de pessoas sem acesso a habitação de qualidade? |  Que formas de violência de género existem no Concelho? |  Quantas crianças vivem em situação de pobreza infantil? |   Qual a diferença entre o valor médio das pensões e o limiar da pobreza?
 Que trajetórias de mobilidade social se verificam no Concelho (ascendente/descendente)?  Qual a proporção da população que recebe prestações sociais complementares ao rendimento? |  Que impacto a escola tem tido na mobilidade social ascendente? |  Qual a taxa de participação eleitoral da população com idades entre os 18 e os 34 anos? |  Quais as dinâmicas de movimentos cívicos no Concelho de Cascais (que áreas, que grupos…)? |  Qual a proporção do orçamento das entidades locais reservada para as questões sociais? |  Qual a proporção de trabalhadores com deficiência nos serviços públicos e no setor privado? |  Qual a proporção dos contratos de trabalho a tempo indeterminado e a termo fixo? |  Quantos idosos vivem com as suas famílias? |  Qual o papel dos mais velhos face às gerações mais jovens (apoio, suporte…)? |  Quais os níveis de partilha dos cuidados a crianças e pessoas dependentes entre homens e mulheres (licenças de parentalidade, dias de assistência à família…)? |  Qual é a taxa de suicídios? |  Qual a taxa de homicídios? |  Estão reunidas as condições para a vivência de uma sociedade plural? |  Qual o nível de “miscigenação” cultural e social nas relações interpessoais? |  Qual o nível de criminalidade?

Áreas de vida

Consumo e alimentação:
 Qual o grau de satisfação das pessoas que beneficiam dos apoios alimentares? |  Qual o impacto dos apoios alimentares nas dietas e hábitos alimentares das famílias beneficiárias? |  A nutrição está assegurada de forma satisfatória para a população em geral e para os grupos desfavorecidos em particular? |  Como é que as famílias gerem e afetam o dinheiro disponível? |  O que consomem regularmente? |  As entidades que distribuem alimentos/refeições conhecem efetivamente as necessidades dos seus utentes (os hábitos, as tradições alimentares)? |  Os apoios estão ajustados a essas necessidades? Em que medida são as escolas um motor de mudança na educação alimentar? |  O que é que a população entende por alimentação saudável (as famílias têm preocupação com alimentação saudável e equilibrada)?

Informação e comunicação:
 Que canais de comunicação são usados e privilegiados (formais e informais) por população e instituições? |  Qual o grau de utilização da internet? |  A privacidade e proteção de dados estão salvaguardadas? |  As necessidades de informação dos munícipes são entendidas como parte de uma cidadania ativa? |  Como se comunica para todos? A informação que é disponibilizada é acessível para todos (diferenças habilitacionais e culturais, deficiência)? |  Que formas de comunicação inclusiva existem? |  Como é que as entidades e atores do setor social comunicam e qual o seu papel na desconstrução de estereótipos relativos a grupos específicos e na promoção de valores como a tolerância, solidariedade e compreensão mútua?

Educação:
 Que competências pessoais e sociais se espera que os jovens adquiram ao longo do percurso escolar?  Estão reunidas as condições para assegurar que a educação promove o desenvolvimento pessoal?  Estão reunidas as condições para assegurar uma educação de qualidade para todos?  O acesso à educação está globalmente garantido?  A escola é um local de diversidade social e cultural?  A participação de alunos e encarregados de educação é efetiva?  Que respostas de educação formal e não formal existem no concelho incluindo para crianças com Necessidades Educativas Especiais (NEE)?  Quais as expetativas de alunos, encarregados de educação, docentes e não docentes e qual o seu grau de satisfação relativamente à educação?  Existe confiança dos encarregados de educação no sistema educativo e entre estes e os professores?

Saúde:
 Como se carateriza o acesso à saúde (tempo de espera; meios informativos; transporte; referenciação; listas de espera)?  Existem assimetrias no acesso aos cuidados de saúde? Se sim, quais?  Qual a situação dos grupos desfavorecidos perante o acesso à saúde?  Quais as garantias de salvaguarda dos direitos e da dignidade dos doentes, especialmente os de maior gravidade?  Que formas de apoio existem para os doentes crónicos ou de mobilidade reduzida relativamente à sua autonomia e desenvolvimento pessoal?  Como se carateriza a incidência das doenças mentais em Cascais (quantas pessoas, que tipos de doenças…)? Estão reunidas as condições para garantir a participação dos cidadãos em questões de saúde?  Que projetos, instituições e associações no âmbito da saúde existem e que populações cobrem?  Qual a capacidade de intervenção das equipas de Serviço de Apoio Domiciliário nos cuidados continuados?  Que suporte e apoios são prestados aos cuidadores informais de pessoas com dependência?  Quais as expetativas, preocupações, grau de satisfação e de confiança de utentes e suas famílias nas respostas de saúde?

Cultura e lazer:
 Por quem e para quem é a cultura planeada?  É dada uma resposta inclusiva às expectativas dos diferentes públicos?   Estão reunidas as condições para garantir a preservação e promoção das diferenças culturais, liberdade de expressão e para criar ligações entre diferentes culturas?   E da diversidade cultural, respeito mútuo entre culturas e diálogo intercultural?   Quais os impactes da identidade cultural na integração social e no exercício da cidadania?   Qual o impacte/papel da cultura na intervenção social?   Qual a importância atribuída ao lazer e à cultura pelos diferentes grupos da população e pelas organizações?

Emprego:
 Qual o perfil dos desempregados e dos desempregados de longa duração, em Cascais?   Que fatores condicionam o acesso ao emprego?   De que forma a rede de transportes condiciona o acesso ao trabalho?  |         Que situações de precariedade laboral existem no concelho e que públicos afetam?   Que impacto tem a precariedade laboral na vida das pessoas?   Que mecanismos facilitam a conciliação da vida familiar com a vida profissional?   Quais são os mecanismos existentes no concelho que visam desenvolver as competências necessárias para os desempregados encontrarem e manterem um emprego?   Existe uma relação entre a formação disponível e as necessidades do mercado de trabalho do concelho?   Quais as expetativas dos jovens relativamente ao emprego?   Qual o nível de confiança entre empregados e empregadores?   Que valores e competências são reconhecidos como importantes por empregadores e trabalhadores em contexto de trabalho?

Rendimento:
 De que forma tem evoluído o volume de rendimento, como é gerido e em que é gasto (estilos de vida, dificuldades financeiras, perfil da família consumidora, nível de poupança, investimentos e endividamento) por território e por género?   Quais os impactos da quebra/redução dos rendimentos na vida das pessoas?   Quais os riscos de um aumento da pobreza e das disparidades de rendimento?   Qual o grau de autonomia financeira dos agregados familiares?   Qual o impacto dos mecanismos de assistência e proteção que são disponibilizados para o combate à privação (dinheiro, comida, roupa, etc.)?   Numa situação de privação, a quem recorrem as famílias?   O que é para as famílias uma situação de privação?   Qual a perceção do papel dos atores locais no apoio a pessoas em situação de pobreza e exclusão social?

Habitação, urbanismo e acessibilidades:
 Como se carateriza o mercado de habitação concelhio (compra, arrendamento, habitação social, evolução da procura/oferta e dos custos, por freguesia) e quais os impactos do mesmo na vida das pessoas?   A habitação social responde às necessidades dos grupos desfavorecidos, nomeadamente sem abrigo, recém-despejados, barracas, etc.?   Quais os impactos de viver num bairro socialmente estigmatizado?    A rede de transportes responde às necessidades das pessoas?   Que apoios/medidas tendo em vista a qualidade da habitação existem e de que forma se articulam com a política de habitação local?   O espaço público é um espaço de socialização e é vivido pelas pessoas?   Que perceções têm os cidadãos do espaço público (inclusivo, acessível, confortável)   Que zonas do concelho são percecionadas como problemáticas ou inseguras?

Grupos de Análise

Imigrantes:
 Qual o perfil dos imigrantes em Cascais (grau de integração, capacidade de comunicação e compreensão, perfil familiar, impressões da comunidade de acolhimento, envolvimento com as instituições locais, hábitos tradicionais, hábitos adquiridos, áreas de residência (coincidem com áreas “problemáticas”?) motivações e intenções futuras?   São os imigrantes discriminados de alguma forma relativamente às suas necessidades básicas? De que tipos de discriminação são vítimas os imigrantes?   Os imigrantes conseguem aceder às respostas sociais (para crianças, idosos, mulheres…), independentemente da sua situação (regularização)?   As necessidades específicas dos imigrantes são satisfeitas (comunicação, legalização…)?   Qual o grau de integração dos imigrantes de segunda geração e das crianças imigrantes?   Que formas de envolvimento e diálogo intercultural existem na sociedade de acolhimento?   A comunidade de acolhimento tem noção da diversidade existente e valoriza-a?   Quais os laços de solidariedade existentes nas comunidades imigrantes, entre comunidades imigrantes e entre estas e a sociedade de acolhimento?

Crianças e jovens:
 Como se carateriza a comunidade juvenil do concelho (número de jovens; ocupação; com quem vivem; gravidez na adolescência; consumo de drogas; violência no namoro; absentismo escolar; 1.º emprego; medidas tutelares educativas; incapacidade e doenças crónicas, jovens com NEE)?     Como se carateriza a comunidade infantil do concelho (sexo; idade; tipos de família; incapacidade ou doença, mortalidade infantil, crianças em risco, tempo médio de permanência na situação de risco, crianças com NEE, abandono escolar, perfil familiar)?     De que forma ocupam os jovens os seus tempos livres e que espaços frequentam?     Que impacto têm nas suas escolhas, percursos e desenvolvimento?     Qual é a situação de crianças e jovens em famílias em risco de pobreza e exclusão social?     Qual é a situação das crianças e jovens em situação crítica?     Que associações jovens existem?     Quais as oportunidades em termos de cidadania?    Qual a adesão dos jovens ao voluntariado, associativismo e ativismo?    São envolvidos no processo de tomada de decisão?   |        Que respostas para crianças e jovens existem no concelho (ocupação de períodos não letivos, espaços de recreio e lazer, situações de risco, abandono escolar)?    Que tipo de ações são dinamizadas paras as crianças?    Como são divulgadas?    Têm adesão?    Que mecanismos asseguram a participação das crianças?    Como tem evoluído a procura de equipamentos educativos (taxas de ocupação das creches e jardins infantis)?    O que tem afetado a evolução da procura (diminuição do número de crianças, dificuldades económicas…)?    Quais as expetativas dos jovens em relação ao futuro?    Como é que os jovens se relacionam com as outras faixas etárias (intergeracionalidade; confiança)?

Pessoas idosas:
 Como se carateriza a comunidade sénior do concelho (reformados, a trabalhar (motivos), isolados, com descendentes a cargo, a cargo de descendentes, a viver em condições de insalubridade, em situação de risco, endividamento, fontes de rendimento, distribuição territorial, ocupação de tempos livres)?    De que forma a população idosa avalia e perceciona as respostas existentes (lares, centros de dia, centros de saúde, transportes)? Que impacto têm as respostas na qualidade de vida dos idosos?     A dignidade das pessoas idosas está salvaguardada?     Até que ponto são os idosos representados nas estruturas de defesa ou representação dos seus direitos (incluindo nas instituições)? O que é feito em prol das pessoas idosas que vivem sós?     Quantas e que estruturas de resposta de proximidade, domiciliárias e deslocalizadas existem e como se distribuem pelo território?     As atividades organizadas são otimizadas e rentabilizadas?     Existe uma rede de partilha e comunicação das atividades?     De que forma são divulgadas?     Qual a perceção do idoso face ao seu papel na sociedade?    Qual a perceção da sociedade relativamente aos idosos?

Pessoas com deficiência:
 Como se carateriza a comunidade de pessoas com deficiência em Cascais (tipologias de deficiência, desempregados, empregados, apoios sociais, rendimentos médios, tipos de deficiência, institucionalizadas, em casa, isolados, em risco, cargo médio, intervenção política/pública)?    O exercício prático da cidadania, a acessibilidade informacional e física aos serviços (nomeadamente educação) e aos transportes públicos está assegurada a todos?     Quais as principais condicionantes?     As pessoas com deficiência são discriminadas no acesso a serviços públicos/gerais?    As pessoas com deficiência têm uma voz ativa na sociedade?   |    Qual o grau de participação e comprometimento das pessoas com deficiência?     As crianças com deficiência têm acesso às mesmas oportunidades que as outras crianças?     Que avaliação fazem as pessoas com deficiência da acessibilidade ao nível dos transportes, estabelecimentos comerciais, culturais e de lazer e serviços públicos?    As respostas de transporte adaptado são suficientes e respondem às necessidades das pessoas com deficiência?     Têm um custo suportável?     A dignidade das pessoas com deficiência é assegurada da mesma forma que a da população em geral?     As qualidades pessoais e ocupacionais das pessoas com deficiência são entendidas e valorizadas?    Qual é a situação em termos de desenvolvimento pessoal, familiar e ocupacional de pessoas com deficiência excluídas e não institucionalizadas?     Quais as aspirações da pessoa com deficiência relativamente ao seu futuro (sexualidade, constituição de família, etc.)?     O que é que os familiares de pessoas com deficiência desejam para elas?

Mulheres:
  De que forma se pode caraterizar a comunidade feminina concelhia (mulheres empreendedoras, famílias monoparentais, rendimento médio, diferenças salariais face aos homens, habilitações vs. salários, abandono escolar, cargos dirigentes, movimento associativo, cargos políticos, áreas profissionais/profissões mais comuns, incidência de doenças ou problemas de saúde, horas semanais de trabalho remunerado e de trabalho doméstico?     As mulheres são um grupo vulnerável?     Qual é a situação das famílias monoparentais?     Como se carateriza o fenómeno da violência de género (incluindo a doméstica) e de que forma tem evoluído em Cascais?     Quais as medidas de apoios existentes e mais utilizadas?     Que dificuldades sentem as mulheres na conciliação da vida familiar e profissional?     Que medidas de promoção da igualdade entre homens e mulheres promovem as organizações da Rede Social?    Que peso têm os modelos tradicionais e as representações sociais de género nas opções de vida das mulheres e dos homens?

Sugerimos também

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisbanner_bairromuseus_0banner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais