CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

mais pessoas

Carlos Neto
Carlos Neto “É preciso tirar as crianças do sof ...
Lourdes Faustino
Lourdes Faustino“Oito dias antes de ser reformada ...
Jaime Ferreira
Jaime Ferreira“O voluntariado é a minha namorada ...
Beatriz Guimarães
Beatriz Guimarães“O voluntariado foi a melhor coisa que ...
António Mendes
António Mendes“Sou voluntário porque me sinto útil ...

Está aqui

Pedro Vaz

"O sentimento é de gratidão. Por poder participar na história do palácio."

Reabilitar o Palácio da Cidadela: semelhante tarefa surge como um desafio de dimensões que parecem maiores que o nosso engenho, mas que não podemos recusar. Estuda-se a História, e as várias histórias associadas ao palácio, no sentido de descodificar as razões de ser do edificado. Visita-se o edifício  estimando-lhe os valores intrínsecos dos espaços, os diferentes estados  de conservação, o potencial de mudança das áreas mais modestas. As ideias desenvolvem-se e amadurecem no cruzamento  com as possibilidades e limitações técnico-construtivas e os requisitos funcionais e regulamentares, sempre no compromisso com as estruturas existentes. As ideias esquissadas vão sendo ancoradas aos pontos-chave, limando as sobreposições e incompatibilidades.
A articulação das intenções sobre a realidade do existente vai moldando as pretensões do programa funcional ao edifício. A irrealidade pensada, trabalhada
sobre a realidade desenhada, vai tornando-se numa nova realidade, mais complexa e regenerada.
O passado impõe-se, mas não tolda a capacidade de ler o conjunto. A entrada dos fatores na mesa da criação é sincrónica e ubíqua. O pretérito presente, o presente contemporâneo e uma imagem do futuro desejado vagueiam no lápis, procurando na síntese assegurar a legibilidade dos fatores que se elegeu como determinantes, conjugados numa síntese harmónica. O projecto continua na obra, onde novas decisões se requerem amiúde. Afortunados os que têm a oportunidade de gerir os imponderáveis da obra e a reavaliação de opções do papel, que tornam vivo o processo.

No final, o sentimento é de gratidão. Por poder participar na história do palácio.

Arquiteto

Opinião Cultura in C - Boletim Municipal, nº5, Dezembro 2011)

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisccbanner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais